OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

“A ordem moral tem as suas leis, que são implacáveis, e sempre se é castigado por infringi-las. Há sobretudo uma, à qual o próprio animal obedece instintivamente, e sempre. É a que nos ordena fugir de qualquer pessoa que nos foi nociva uma primeira vez, com ou sem intenção, voluntária ou involuntariamente. A criatura de …

Continue reading

No outro dia, Gregório estava na sala que fora de Carla e, inspirado, sacou da sua pasta livros do romancista Jonathan Franzen: “As Correções“, “Tremor“, “Liberdade” e “Como Ficar Sozinho“. Perguntado se aquelas obras constavam da lista de livros obscuros do mês, o professor disse que não. Esclareceu que iria dar uma aula sobre a …

Continue reading

Um livro fascinante! “O Pêndulo de Foucault” (Editora Record, 613 p.) é um belo romance do italiano Umberto Eco, que é também autor de “O Nome da Rosa“. Especialista em Semiótica e História Medieval, o italiano Eco foi um dos intelectuais mais respeitados do mundo. Em “O Pêndulo de Foucault”, ele elabora uma narrativa acerca …

Continue reading

O que faz de uma obra e autor um clássico? Certamente é a atualidade e perspectiva, mesmo passado algum tempo e a comprovação de que algumas realidades e sentimentos permanecem. Este é o caso de “A Educação Sentimental”, de Gustave Flaubert (1821-1880). Este livro publicado em 1869 retrata a vida de Fréderic Moreau, jovem que …

Continue reading

Volto a uma obra do grande romancista francês do século XIX. Ler um romance de época, como “O Pai Goriot”, pode parecer datado e fora de propósito. Ainda mais quando não reconhecemos Paris como a concebemos atualmente, sendo a Cidade Luz. A Paris de Honoré de Balzac (1799-1850) é lúgubre, com uma sociedade mesquinha e …

Continue reading