OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

Aqui nas Minas Gerais, Brasil, existe um provérbio que afirma que “devemos tomar o mingau pelas beiradas”. O enunciado é simples: quando nos servem um prato de mingau quente, se dermos colheradas pelas bordas a temperatura estará mais adequada. Assim sendo, tratarei aqui de Gilles Deleuze (1925-1995), filósofo francês, por acreditar que OBarrete, inconscientemente, aplica …

Continue reading

As pessoas me questionam muito acerca da atividade de filósofo. Ainda bem que aquele cliché do filósofo ser um cara descabelado, com óculos fundo de garrafão e meio alheio às coisas práticas da vida caiu em desuso. Para quem consegue enxergar para além dos clichés, é importante elencar o filósofo como um pensador sobre problemas …

Continue reading

Konigsberg é uma cidade prussiana-alemã na sua origem, que após a II Guerra Mundial passou a chamar-se Kaliningrado e ficou sob a tutela russa. Mas vamos voltar no tempo e nos remeter ao Estado da Prússia que viu nascer o seu filho mais ilustre: o filósofo Immanuel Kant (1724 – 1804). O marco divisor na …

Continue reading

“O importante é viver com quantidade!”. Essa máxima camusiana traduz um pouco o sentimento do absurdo do indivíduo perante a vida. O absurdo é o tema central da obra “O Mito de Sísifo” (“Le Mythe de Sisyphe” em francês), livro este que data de 1942.

A perspectiva epistemológica grega traduz «narcisismo» como o amor que um sujeito sente por si próprio. Nesse prisma, há a destacar certos aspectos essenciais que o descrevem: a) por um lado, há a substituição do amor dito objectal pelo amor narcísico, ou seja, reprime-se o investimento instintivo humano nessa matéria, algo amplamente verificável, por exemplo, …

Continue reading