OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

“‘Santo Deus! Em que me transformei? Que direito têm vocês de atrapalhar a minha vida, roubar o meu tempo, sondar a minha alma, sugar os meus pensamentos, ter-me como seu companheiro, confidente e departamento de informações? Por quem me tomam? Sou um artista assalariado, obrigado a interpretar toda noite uma farsa intelectual sob seus estúpidos …

Continue reading

Nesta análise, irei escrever sobre o livro “Quando Nietzsche Chorou” (Editora Ediouro, 406 páginas). Parece existir um ranço de catedráticos em Filosofia quando veem pensadores a ser romanceados ou a ser alvo de biografias. No primeiro caso, entendo ser saudável a iniciativa, desde que seja bem trabalhado e com notas de esclarecimentos em alguma parte …

Continue reading

A realização de uma pesquisa académica é um misto de interesse do aluno com o espírito livre do orientador(a) – claro que podem haver espíritos dogmáticos, pusilânimes, mas para minha sorte isso não ocorreu neste artigo que se segue. Primeiramente, é mister lembrar (e com carinho) a Universidade Federal de São João del-Rey, no Brasil, …

Continue reading

“Só vivo porque posso morrer quando quiser: sem a ideia do suicídio já me teria matado há muito tempo” Emil Cioran Preparem-se para pensamentos melancólicos. Para ideias desconcertantes. Para ideias que nos incomodam. Se forem de natureza macambúzia e com pouco senso de reflexão, sugiro que não se apercebam do filósofo romeno Emil Cioran, que …

Continue reading

Este ano redondo viu morrer dois ilustres pensadores e de modo trágico: enquanto Friedrich Nietzsche se despedia do mundo pela sífilis e loucura, Oscar Wilde, nascido em 1854, num quarto ordinário de pensão em Paris, falecia tendo um enterro como indigente e pouco sabiam ambos que teriam seus nomes eternizados pela história das letras e …

Continue reading