OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

“A Vendeta” (Editora Biblioteca Azul, 3.ª edição, 2012, 84 páginas) é uma novela do grande romancista Honoré de Balzac (1799-1850) com as suas costumeiras impressões sobre a sociedade parisiense e os seus costumes, hipocrisias e ressentimentos, formando mais um belo quadro comportamental que perdura até os dias atuais, por se tratar as afeções humanas como …

Continue reading

“A poesia proporciona-me a descoberta de alguns dos meus sentimentos possíveis. Ela pode ampliar em mim o campo da minha capacidade de sentir coisas novas.” “As artes da palavra: Elementos para uma poética marxista” Aquando da minha formação em Filosofia pela Universidade Federal de São João del-Rey, no Brasil, lembro-me de ter assistido presencialmente a …

Continue reading

A novela “Albert Savarus” (Editora Biblioteca Azul, 144 páginas) é reveladora. Certamente não é um dos melhores livros do escritor Honoré de Balzac (1799-1850), mas lá tem os seus encantos. A história passa-se em Besançon, cidade a leste de Paris que fica acerca de 400 quilómetros da capital. Curioso, procurei saber a atualidade desta e …

Continue reading

“A ordem moral tem as suas leis, que são implacáveis, e sempre se é castigado por infringi-las. Há sobretudo uma, à qual o próprio animal obedece instintivamente, e sempre. É a que nos ordena fugir de qualquer pessoa que nos foi nociva uma primeira vez, com ou sem intenção, voluntária ou involuntariamente. A criatura de …

Continue reading

Autor da obra prima “Ilusões Perdidas“, Honoré de Balzac (1799-1850) é um profícuo escritor. O todo da sua obra, denominada “A Comédia Humana”, impressiona pela exuberância e verborragia. Balzac reivindicou para si o título de historiador de costumes e, construindo mais de três mil personagens que povoam os seus escritos, inovou ao fazer estes personagens …

Continue reading