OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

Depois de uma Suécia protestante, passamos para a Itália católica, na companhia de um quase contemporâneo de Bergman que utilizou o cinema de modo igualmente ambicioso. Federico Fellini nasceu no noroeste de Itália em 1920 e enquanto que o primeiro mundo simbólico de Bergman foi o teatro, a inspiração de Fellini foi o circo, quando …

Continue reading

Muitos dos realizadores da Europa de Leste utilizaram símbolos nos seus filmes para escapar a restrições políticas, tal como os seus antepassados, Lubitsch e Hitchcock, tiveram de contrapor-se a restrições de carácter sexual. Outros cineastas dos anos 50 seguiram D.W. Griffith, Von Stroheim, Ozu, Ford, Welles e Kurosawa, recorrendo à metáfora, não necessariamente devido a …

Continue reading

Luís de Camões foi um dos impulsionadores da chamada “medida velha”, expressa em redondilhas (menor ou maior). Por outro lado, a dita “medida nova” praticou-a na poesia épica d’”Os Lusíadas“. Ademais, nos seus sonetos, o escritor consegue imergir em temas substanciais como o amor, a tristeza, a saudade, a religião e a própria Natureza. Mais …

Continue reading

A primeira parte deste artigo está disponível aqui. No cinema, um filme que retrata uma grande parte do que está a ser explicado é “Cães de Palha” (1971), do realizador norte-americano Sam Peckinpah. Este decorre no meio rural de Inglaterra, e é caracterizado pela brutalidade e violência, onde as personagens são levadas a situações extremas. …

Continue reading

O cinema é um testemunho da sociedade que o produziu e, portanto, uma fonte documental para a histórica por excelência, o que nos permite afirmar que todo o filme é passível de ser utilizado enquanto documento (Penafria, 2004). O ritmo industrial, a contabilidade e a aceleração tecnológica, que caracteriza a grande massa de produtos do …

Continue reading