OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

“Se nos cai nas mãos um volume, por exemplo, de teologia ou de metafísica escolástica, perguntamo-nos: contém alguma argumentação abstrata sobre a quantidade ou os números? Não. Contém alguma argumentação experimental sobre questões de facto e existência? Não. Então, que seja jogado ao fogo, pois contém apenas sofismas e ilusões” David Hume (1711-1776) foi um …

Continue reading

O texto “Resposta à pergunta que é o esclarecimento” (Aufklärung) (tradução de Raimundo Vier em Textos Seletos, Petrópolis, Vozes, 1985, p. 100-117) de Immanuel Kant, propõe-nos uma questão interessante: o papel da razão foi diferentemente concebido entre franceses (Rousseau e Montesquieu, Condillac e os enciclopedistas); ingleses (Berkeley e Hume); alemães (Wolff, Lessing, Baumgarten, Kant); portugueses …

Continue reading

No outro dia, Gregório estava na sala que fora de Carla e, inspirado, sacou da sua pasta livros do romancista Jonathan Franzen: “As Correções“, “Tremor“, “Liberdade” e “Como Ficar Sozinho“. Perguntado se aquelas obras constavam da lista de livros obscuros do mês, o professor disse que não. Esclareceu que iria dar uma aula sobre a …

Continue reading

Publicado pela Mandarim em 1996, este livro de cartas é interessante para observarmos um espírito crítico feminino, numa época em que as mulheres eram renegadas aos cuidados com o corpo, como apêndices de homens apenas. Razão pela qual poucas mulheres tiveram os seus atributos intelectuais reconhecidos, ainda para mais numa época em que poderiam facilmente …

Continue reading