OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

O livro “Senso Comum” (Editora Martin Claret, 138 páginas), do escritor britânico Thomas Paine, é um contundente libelo contra a monarquia inglesa e uma ardorosa defesa da separação da colónia norte-americana (as famosas 13 Colónias) do jugo britânico. Nascido a 29 de janeiro de 1737, Paine teve uma infância pobre e difícil. Ajudou o seu …

Continue reading

“Pensar frequentemente e não conservar um só momento a recordação do que se pensa, é pensar de maneira inútil” Leibniz Aqui no Barrete já falei de René Descartes (1596-1650), Baruch Spinoza (1632-1677), dos filósofos empiristas ingleses e mais alguns personagens do século XVII. Pois bem, é chegada a hora de convidarmos para a discussão Gottfried …

Continue reading

“Se nos cai nas mãos um volume, por exemplo, de teologia ou de metafísica escolástica, perguntamo-nos: contém alguma argumentação abstrata sobre a quantidade ou os números? Não. Contém alguma argumentação experimental sobre questões de facto e existência? Não. Então, que seja jogado ao fogo, pois contém apenas sofismas e ilusões” David Hume (1711-1776) foi um …

Continue reading

Ao longo dos meus artigos filosóficos panorâmicos, podem ter percebido a ênfase que dou à dita Civilização Ocidental e, no tocante à Filosofia, é mister aventarmos que ela é notadamente europeia. Dois milénios e meio do dito pensamento racional surgiu em solo europeu e agora é chegada a hora de aventarmos a um cisma que …

Continue reading

No outro dia, Gregório estava na sala que fora de Carla e, inspirado, sacou da sua pasta livros do romancista Jonathan Franzen: “As Correções“, “Tremor“, “Liberdade” e “Como Ficar Sozinho“. Perguntado se aquelas obras constavam da lista de livros obscuros do mês, o professor disse que não. Esclareceu que iria dar uma aula sobre a …

Continue reading