OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

Apresento ao público português o polémico jornalista Paulo Francis (1930-1997). Para uma primeira visualização, vão ao YouTube e assistam a algumas das suas performances como jornalista. Gosto também da sua veia de romancista e aqui irei tratar deste departamento. Durante a trilogia dos romances “cabeças”: “Cabeça de Papel“, “Cabeça de Negro” e “Cabeça” (inédito), o …

Continue reading

“Eu pensava um bocado sobre os poemas que não conseguia escrever… Eu masturbava-me… A solidão é essencialmente uma questão de orgulho, mergulhamos no nosso próprio cheiro. É sempre assim com todos os verdadeiros poetas. Se alguém passa muito tempo a sentir-se feliz, torna-se banal. Da mesma forma, se ficamos infelizes por muito tempo, perdemos a …

Continue reading

“Algumas vezes, desde que começara a viver livremente, Abel perguntara a si mesmo: ‘Para quê?’. A resposta era sempre clara e também a mais cómoda: ‘Para nada’. E se o pensamento insistia: ‘Não é nada. Assim não vale a pena’, acrescentava: ‘Deixo-me ir. Isto há de ir dar a algum lado’. Bem via que ‘isto’, …

Continue reading

O livro “Saí da Microsoft para mudar o mundo”, de John Wood, traz o subtítulo “A história de um empreendedor social e sua missão de ajudar crianças carentes a ler e escrever”. Com as suas 239 páginas, publicado pela Editora Sextante, o livro narra a linda história de um alto funcionário da Microsoft e próximo …

Continue reading

É com satisfação que tratarei aqui de mais um clássico do escritor russo Fiódor Dostoievski (1821-1881). Após “Os Irmãos Karamazov“, é chegada a hora de analisar “O Idiota” (José Olympio Editora, 440 p. e Companhia Aguilar Editora, 262 p.). O exemplar que tenho é clássico, permeado com algumas ilustrações e é do ano de 1955. …

Continue reading