OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

Ao jogar “Little Nightmares” é possível fortificar a opinião de que os videojogos de terror, quando comparados com filmes do género, podem ser considerados espadas de duas pontas. Se é verdade que os primeiros permitem ao jogador tornar a experiência mais personalizada e livre, para os desenvolvedores novos desafios são acarretados. A mais óbvia dificuldade …

Continue reading

Hoje em dia a presença de jogos independentes na indústria dos videojogos é algo completamente normalizado, embora nem sempre tenha sido o caso. Se há um jogo que pode ser apontado como impulsionador dessa maior visibilidade, esse jogo é “Braid”. Lançado em 2008, “Braid” é maioritariamente fruto da visão criativa de Jonathan Blow, a mente …

Continue reading

A maioria dos videojogos atuais inclui, de uma forma ou de outra, vertentes relacionadas com a resolução de puzzles. Estes quebra-cabeças podem estar diluídos no design do mundo criado (como nos já retratados “Limbo“, “Inside” ou na série “Hitman“), podem ser secções isoladas de jogos que são focados noutros géneros (algo muito presente nas franquias …

Continue reading

I Introdução Pouco mais se pode pedir a um videojogo do que a capacidade de deixar uma marca no jogador, seja pela narrativa que apresenta, pelas inovações do seu gameplay ou simplesmente pela sua qualidade a nível gráfico. Qual é então o fator que leva a que “Inside” tenha sido largamente elogiado pela crítica aquando …

Continue reading

Antes de irmos a “Limbo”, devemos ter a perceção de que praticamente todas as atividades a que habitualmente chamamos de arte têm pelo menos um elemento diferenciador que as ajuda a transmitir uma mensagem. Na literatura é a representação de caracteres, signos ou símbolos linguísticos, como certas imagens, que correspondem a uma linguagem (aquilo a …

Continue reading