OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

Muitos dos realizadores da Europa de Leste utilizaram símbolos nos seus filmes para escapar a restrições políticas, tal como os seus antepassados, Lubitsch e Hitchcock, tiveram de contrapor-se a restrições de carácter sexual. Outros cineastas dos anos 50 seguiram D.W. Griffith, Von Stroheim, Ozu, Ford, Welles e Kurosawa, recorrendo à metáfora, não necessariamente devido a …

Continue reading

O Cinema é visto como uma transformação das ideias em imagens visuais. Mas não se resume a essa transposição. Ele próprio convida o espectador a fechar os olhos para assistir a um filme. É um apelo à visão interior, é uma viagem própria, identitária do Eu, que capta a realidade e lhe dá significância. Para …

Continue reading

É, sem qualquer dúvida, um dos estilos cinematográficos mais apreciados pelos fãs de cinema, os épicos. Seja pela grandiosidade dos cenários, seja pela temática centrada em grandes figuras da história ou apenas pelo efeito visual que normalmente estes filmes nos proporcionam, os épicos têm vindo a marcar a história do cinema ao longo das décadas. …

Continue reading

Este texto é transcrito do livro “Biografia Do Filme” (Plátano Editora), do autor Mark Cousins, que para além de escritor, é crítico de cinema, produtor e realizador. Este é colaborador regular de publicações como “Sight And Sound, “Prospect” e “The Times”. Com este texto pretendo dar a conhecer uma visão mais profunda e analítica de …

Continue reading