OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

Até 2007 muito daquilo que era a marca Naughty Dog estava associada a jogos então recentes como “Crash Bandicoot” ou “Jak and Daxter“. Muito por essa razão, o lançamento de “Uncharted: Drake’s Fortune” no final desse ano terá deixado os fãs da empresa surpresos e marcou muito daquilo que seriam os seus futuros jogos.

Primeiro, porque ao contrário de “Crash” e de “Jax and Dexter”, “Uncharted” baseou-se na criação de um mundo virtual mais humanizado (se é permitida a palavra quando se fala de um videojogo). Segundo, porque se distanciou dos tradicionais jogos de plataformas (como é o exemplo dos dois jogos mencionados) e se focou muito em elementos narrativos cinematográficos. O lançamento foi feito pela Sony no final de 2007 para a América do Norte e um ano depois para a Europa, ainda na novinha PlayStation 3.

“Uncharted: Drake’s Fortune” inicia-se com o protagonista Nathan “Nate” Drake (voz de Nolan North) após este ter recuperado o caixão de Sir Francis Drake, capitão e explorador inglês do século XVI e antecessor de Nate. A acompanhar Nate encontra-se a jornalista Elena Fisher (voz de Emily Rose), responsável pelo patrocínio da expedição. Nate, ele próprio também explorador e aventureiro, conseguiu encontrar o caixão do seu antecessor através das coordenadas inscritas num antigo anel de família. Este crê que o diário de Sir Francis, que encontra no caixão, o levará até ao tesouro de El Dorado. Após Nate e Elena serem atacados por piratas, estes são salvos por Sully (voz de Richard McGonagle), amigo e mentor de Nate.

Nathan Drake (Nolan North) – protagonista da série de jogos Uncharted

Esta pequena secção do jogo faz em pouco tempo aquilo que muitas outras obras narrativas (não apenas em videojogos) precisam de muito tempo para fazer: estabelecer os protagonistas, o contexto e o ambiente da história. O capítulo, que serve de prólogo a toda a saga, estabelece “Uncharted” como um shooter de ação, aventura e exploração, que dá importância tanto à jogabilidade como à narrativa cinematográfica.

Estabelece também Nate como um protagonista carismático, que aborda qualquer situação com humor, mas também ambicioso e decidido a desvendar o segredo de Francis Drake. Relativamente a Sully, rapidamente se percebe que funciona como uma figura paterna para Nate, uma pessoa que respeita ainda que não goste que ninguém lhe diga o que deva fazer. Elena é caracterizada como uma repórter curiosa, sempre de câmara na mão pronta a captar potenciais momentos para a sua reportagem, mas também consciente que tanto Nate como Sully não lhe dão a confiança necessária para os acompanhar na aventura.

Sully e Nate

É a precoce descoberta da localização de El Dorado no diário de Sir Francis Drake que guiará toda a história da primeira aventura de Nathan Drake, entre-cortando as cutscenes com momentos de exploração (sobretudo através de uma habilidade quase sobre-humana que Nate tem para escalada), momentos de “tiro” e de pequenos puzzles.

O grande foco na narrativa, ao estilo de um gigante filme de ação de Hollywood, ajudou à criação de uma grande empatia com as personagens e com o próprio jogo. Uma das provas disso são as críticas muito favoráveis que o jogo recebeu, que resultaram num recorde de vendas para a Naughty Dog e culminaram num grande número de prémios para o jogo, entre os quais o de Jogo do Ano para a PlayStation 3, atribuído pela IGN.

Apesar do sucesso, uma retrospetiva e um olhar mais atento ao jogo, que já possui um grande número de sequelas que auxiliam em efeitos comparativos, é capaz de denunciar algumas falhas que o tempo ajudou a emergir. Comparativamente a outros jogos da saga “Uncharted“, “Drake’s Fortune” revela-se como o mais repetitivo de todos. Muitas das secções jogáveis consistem em encontros com intermináveis piratas e mercenários ou zonas de exploração demasiado lineares para apresentarem um desafio entusiasmante.

Além disso, algumas zonas que incluem o controlo de veículos são particularmente frustrantes devido à estrutura dos controlos. Por último, as cerca de seis horas que o jogador médio leva a passar o jogo podem dar um sentimento de decepção e deixar um sabor amargo para quem esperava uma aventura mais duradoura.

Nate numa das secções de escalada

Muito daquilo que caracteriza Nate, relaciona-se com o seu mote “sic parvis magna” ou, em português, “grandeza a partir de um pequeno começo“. Dificilmente haveria uma melhor descrição para aquilo que é hoje a franquia Uncharted. Mas, ao contrário de outras, a “pequenez” que se pode atribuir ao primeiro capítulo da saga está mais relacionada com a capacidade de evolução da mesma em termos de qualidade, do que com a falta desta no jogo que aqui é descrito.

Luís Ferreira

Rating: 2.5 out of 4.

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: