OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

Aqui nas Minas Gerais, Brasil, existe um provérbio que afirma que “devemos tomar o mingau pelas beiradas”. O enunciado é simples: quando nos servem um prato de mingau quente, se dermos colheradas pelas bordas a temperatura estará mais adequada. Assim sendo, tratarei aqui de Gilles Deleuze (1925-1995), filósofo francês, por acreditar que OBarrete, inconscientemente, aplica muito de suas intenções. Ao longo da minha vida de pensador, escrevendo profissionalmente, percebi também verosimilhanças e intenções.

A partir do livro “Gilles Deleuze – Sentidos e Expressões“, fruto de um seminário ocorrido na Universidade Federal do Rio de Janeiro, Brasil (UFRJ), com destaque para Elton Luiz (UCAM/UVA), com a sua comunicação Letra G, de Gilles e Rogério da Costa (PUC/São Paulo) com a sua tese “Sociedade de Controle“.

Mas afinal, quem foi Gilles Deleuze? Foi um filósofo inovador, desmistificando as pompas e circunstâncias da filosofia académica. Trouxe o filosofar para as artes plásticas, o cinema, a literatura, o teatro, enfim, todas as manifestações artísticas, buscando sempre uma intersecção como valor do pensamento crítico. Essa abordagem ficou conhecida como pop filosofia, deixando assim os académicos da cátedra torcendo o nariz.

No campo da Filosofia, Deleuze esclarece o valor literário poético do alemão Friedrich Nietzsche (1844-1900), que inaugurou (ou reinstaurou) uma forma de fazer filosofia por meio de poemas e aforismos, quebrando aqueles elos do pensamento racionalista de René Descartes (1596-1650) e do castelo metafísico proposto por Hegel (1770-1831). Nietzsche foi genial ao publicar seu pensamento de forma artística, antes de mais nada.

Observando o mundo à nossa volta, Deleuze valoriza as imagens do mundo. Essas que nos defrontam o tempo inteiro. Imagens do mundo e imagens da vida, sendo a percepção de cada indivíduo indispensável ao entendimento completo da sua existência. Mais do que um filósofo ditando os modos comportamentais e morais, a sociedade necessita é de intercessores que investiguem as próprias condições do mundo, com os seus desafios. Desaparece a figura do pensador acabrunhado e surge a do professor investigativo.

A respeito da vida, Deleuze admite certo desencanto com a mídia, com a televisão e a cultura de seu tempo. Desiste de aparecer na televisão, mas, contraditoriamente, grava uma entrevista com a mórbida recomendação de que fosse exibida somente após a sua morte. Quase uma forma irónica de lidar consigo mesmo. Daí o “Abecedário de Gilles Deleuze“, que assisti e gostei muito. Mais do que uma entrevista formal, trata-se de depoimentos aparentemente desconexos seguindo a ordem alfabética, onde discorre sobre seus temas.

A provocação (intersecção) é feita pela aluna Clair Parnet, no ano de morte do pensador. Uma das concepções mais belas de Deleuze é a relação entre a vida e a morte, entendendo que esta última poderia levar muito pouco do indivíduo que fizesse uma carreira de busca e objetivos constantes.

Segundo Elton Luiz, cito: “Uma vida é feita de pontos singulares e ordinários; do mesmo modo, há pensamentos singulares e ordinários. Singular é aquilo que é notável. Num pensador, notáveis devem ser suas ideias, não a sua pessoa. É preciso muitas vezes uma quantidade formidável de ideias ordinárias para se produzir uma única ideia singular e notável.

Se olharmos o círculo da nossa vida, os momentos onde nós o apoiamos sobre pontos singulares são exatamente aquele aos quais experimentamos alguma mudança, encontramos uma tangente – como linha de fuga. O universal não existe. O mesmo já não se pode dizer do ordinário: este é o comum. Não o bom senso, mas a ordinaridade é o elemento que mais se partilha entre aqueles que algum poder tiraniza.

O que isso tem a ver? Tudo. Grandes pensadores foram reconhecidos pela originalidade de suas ideias, tais Albert Einstein e a Teoria da Relatividade; Charles Darwin e a Teoria da Evolução das Espécies; Sigmund Freud e a Teoria do Inconsciente e outros.

Albert Einstein
Charles Darwin

Mais do que uma filosofia encastelada nas prisões do dogmatismo, Deleuze nos convida a comparar, a diagnosticar, a fazer filosofia no simples ato de se manifestar. Como faço ao escrever este ensaio. Deleuze estilhaça as grandes teorias e faz uma ponte originalíssima daquilo que passou a se chamar filosofia pop. Dos livros de Deleuze, vale a pena ler “O Anti – Édipo” e “O que é Filosofia?“, escrito em parceria com Félix Guattari.

Finalizo afirmando que aos poucos oferecerei um prato de mingau mais morno, descrevendo as obras e pensadores aqui descritos. Como propedêutica, essa abordagem de Deleuze é para exemplificar a feliz experiência que é OBarrete, que por meio dos seus articulistas abordam o todo da cultura e manifestações humanas. Talvez os articulistas não saibam, mas estão fazendo filosofia.

Na foto abaixo, estou no Louvre à frente de uma tela do genial Rembrandt. Sim, estou filosofando…

Marcelo Pereira Rodrigues ao lado de uma obra do pintor holandês Rembrandt

Marcelo Pereira Rodrigues

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: