OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

“Fui colocado a meio caminho entre a miséria e o sol.”

– Albert Camus, escritor franco-argelino (1913-1960)

Diferente de Camus, irei abordar nesta crónica o Astro-Rei e a temporalidade e tudo que se manifestou em mim de forma simples. Numa das comunicações com o editor de OBarrete, Diogo Passos, ele havia afirmado que aproveitara a manhã para caminhar aproveitando o sol na cidade do Porto. Por esses dias de quarentena, também tenho aproveitado o sol. Sempre pelas 14:00 horas, após o almoço, dirijo-me ao meu quarto e fico admirando as árvores altas de uma casa vizinha.

Nesse período, o sol bate forte e atinge os pés de minha cama, de forma que fico ali, a ler, sentindo o vento que agita as frondosas árvores e aproveitando o sol nas canelas. Nesses dias introspectivos, acredito que tudo se resuma nisso: a riqueza que é saber aproveitar o sol. Pensando (e muito mais que pensar, sentir) na temporalidade, imagino como será daqui a 50 anos, quando então terei 95. Aproveitarei e terei gozo com essa atitude simples de me expor ao sol?

Minhas reminiscências viajam para o tempo de criança. Aí sim, sinto que caberia o pensamento de Camus. Infância pobre numa cidade do interior. Fora a escola, as brincadeiras com as outras crianças e a ajuda nos afazeres domésticos, sobrava-me bastante tempo para ler e estudar. A pobreza era tamanha, que uma mesa ou simples cadeira era luxo. Quando não estava de pé, sentava-me no colchão e por vezes deitava. Para alternar um pouco essa posição, ia para a varanda do casarão antigo e ali acolhia os raios de sol que atenuavam as tardes de inverno.

Equilibrava-me numa superfície de 30 centímetros e levava o travesseiro para ler. Por vezes, cochilava. Ainda hoje não consigo entender como não despenquei, de uma altura de 3 metros, na rua. Cochilava e me esquentava. Despertava e, na hora do café da tarde, minha mãe e eu conversávamos na janela, e ela observando um morro defronte, me ensinava que àquela hora, no sol da tarde que estava se pondo, as almas saíam para tomar sol. Como criança, deveria acreditar na minha mãe, mas confesso que tinha dificuldade para crer, a ver uma característica de ser uma espécie de Tomé, aquele discípulo que sempre queria ver para crer. Ah, que saudades!

No hoje, sensorialmente, analiso a importância do sol. Nesta nossa Terceira Guerra Mundial, com o inimigo invisível chamado COVID-19, a verdade é que não sabemos ao certo os alvos que o inimigo irá atacar. Não me encontro no grupo de risco. Estou com uma idade média e não tenho nenhuma comorbidade. Luto com as armas que tenho, tentando manter ao máximo o isolamento social. Mas, não podemos nos ater ao nosso próprio umbigo. Vejo com preocupação milhares de pessoas tombando nesta guerra estranha. Fora os casos notificados, sabemos dos casos sub-notificados. Aí é que a coisa complica.

Legião Urbana

Num desses dias, com as canelas ao sol, ouvia o CD “O Descobrimento do Brasil”, Legião Urbana. Com letra intimista de Renato Russo, a canção Só por Hoje me bateu no peito. Claro que já ouvi a canção inúmeras vezes, mas nesse dia a coisa foi mais significativa. Sabendo dos bastidores da composição depois, quando Renato já estava acometido pelo HIV, o seu canto revela suas dores e seus versos são existencialistas por demais:

Só por hoje eu não quero mais chorar

Só por hoje eu espero conseguir

Aceitar o que passou e o que virá

Só por hoje vou me lembrar que sou feliz

Hoje eu já sei que sou tudo o que preciso ser

Não preciso me desculpar e nem te convencer

O mundo é radical

Não sei onde estou indo

Só sei que não estou perdido

Aprendi a viver um dia de cada vez

Só por hoje eu não vou me machucar

Só por hoje eu não quero me esquecer

Que há algumas pouco vinte quatro horas

Quase joguei a minha vida inteira fora

Não não não não

Viver é uma dádiva fatal

No fim das contas ninguém sai vivo daqui mas

Vamos com calma

Só por hoje eu não quero mais chorar

Só por hoje eu não vou me destruir

Posso até ficar triste se eu quiser

É só por hoje, ao menos isso eu aprendi

Yeah

O futuro. Daqui a 50 anos. Certamente irei me remeter a estes dias do presente. Somado às reminiscências do menino que ficava dependurado na varanda, na certeza de minha fortuna ao estar nesta confortável cama, e escolho este cómodo tão somente pelas circunstâncias, declinando ao conforto de minha poltrona na biblioteca, afinal, tenho que me submeter ao sol. Ao fim de tudo, como última reflexão de vida, espero proclamar, no último suspiro, a simples frase: “Fui um homem feliz. Expus-me ao sol“!

Marcelo Pereira Rodrigues

Pintura de Vincent Van Gogh, “Pôr do Sol em Montmajour” (1888)

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: