OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

Percorremos esta estrada,

Cheia de atribulações.

Vamos por caminhos incertos,

Sem saber qual o destino

Procurando por diferentes emoções

Que guiam este nosso caminho.

Estamos unidos, neste local,

Este planeta que habitamos.

E até quando nos dividimos,

Acabamos muitas vezes a dialogar

Até com os que mais odiamos.

As palavras leva-as o vento,

Qualquer um pode sonhar.

Mas, no final só os mais bravos

Terão a coragem de actuar.

Ó estrada da vida,

Que nos fazes duvidar

Se do nosso rumo

Nos devemos orgulhar.

Não nos deixes desprovidos

Da nossa verdadeira herança.

Do alcançar nesta jornada,

Ao longo da sua duração

De uma vida com muita ternura,

E cheia de fogo no coração.

Tentando esquecer qualquer dor

Ou mágoa que por vezes perdura.

E, sem nunca esquecer de percorrer

Este trilho que, ao unir-nos,

Nos torna a todos nós.

Numa parte desta película peculiar,

que é diferente consoante o olhar,

Mas cujo resultado final

Nesta incerta e estimulante narrativa,

Somente a cada um pertence,

Enquanto seu director e actor principal.

Pedro Maia

Pintura de Gustave Courbet, “A Praia em Palavas” (1854)

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: