O BARRETE

Porque A Arte Somos Nós

Entusiástico, cativante e tecnicamente fascinante, este não é um daqueles filmes de época que está destinado a colher pó na prateleira. Não fosse “A Favorita” realizado por um dos cineastas mais distintos e qualificados do momento: o grego Yorgos Lanthimos. Desde “Canino” (2009), onde se destacou pela primeira vez, o seu trabalho envolveu-me nos traços chocantes, absurdos e ambíguos que caracterizam os argumentos com que trabalha (e muitas vezes participa). Este não foi excepção.

Ler mais

Luís de Camões foi o cantor da mais célebre aventura marítima lusitana, mas ficou enleado naquilo que escreveu. Do homem que foi, quase nada se sabe, é pouca a documentação a esclarecer a sua biografia (obscura): tudo aponta para que tenha nascido em Lisboa. Dá-se como muito provável o seu nascimento em 1534 ou 1535. “Ó gente temerosa, não te espantes, / que este dia deitou ao mundo a vida / mais desgraçada que jamais se viu“.

Ler mais

Bem, pela primeira vez aqui no Barrete, vou-vos apresentar a minha escolha pessoal do Top 10 das melhores músicas de hip-hop dos anos 90. Espero que seja algo que vos inspire a pesquisar mais sobre este estilo de música ou até mesmo os artistas e produtores do mesmo. Deixo-vos aqui a minha escolha, espero que se divirtam e passem bons momentos. Que vos faça sonhar, e que vos consiga fazer descomprimir por algum tempo desta quarentena. Aqui vai:

Ler mais

Sair de casa tornou-se como uma excepção, e estando nós confinados ao espaço dos nosso aposentos, o quotidiano mudou, a forma de trabalho mudou, a própria vida mudou e talvez não volte a ser como dantes. Como um forma de tirar o melhor proveito do tempo que temos dentro de quatro paredes, recomendo cinco livros que tiveram impacto na minha vida e me ajudaram a conhecer novos horizontes. Tentei fazer uma selecção o mais diversificada possível de forma a dar a conhecer diferentes tipos de literatura e conteúdos. Espero que gostem e que aguce o vosso apetite pela leitura.

Ler mais

O ser humano está condicionado a temer o desconhecido. Um exemplo clássico é o escuro, um espaço onde a percepção falha e a dúvida é permanente. Outro exemplo é a natureza e toda a estranheza que dela advém. “O Monstro da Lagoa Negra” é o filme onde o realizador Jack Arnold explora essa ideia através de uma criatura pré-histórica com aparência humana mas características de anfíbio. É o último monstro do legado deixado pelos estúdios da Universal, que estabeleceu uma era no cinema de terror nos anos 30 e 40.

Ler mais