OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

Procuro-te.

Nos livros que leio.

Nas palavras que escrevo.

Nas ruas que passo.

Nas memórias que escondi e perdi.

Nos recantos onde nunca fomos.

Procuro-te.

Na esperança de encontrar alguma réstia de ti.

Dizem-me que nunca exististe e eu chamo-os de doidos.

Como pude sentir algo assim sozinha?

Como?

Então procuro-te de novo.

No tempo que lá vai.

Na cidade que outrora foi nossa.

Nas pessoas que por mim passam.

No eco das gargalhadas que demos

E onde quer que vá, tu não estás.

Se calhar tinham razão.

Criei um conto de fadas imenso em ilusões.

E tu nunca exististe.

Porque eu procuro-te.

Procurei-te,

Tanto.

Mas nunca te encontrei.

Annie Lune

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: