OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

Existem algumas prisões

Que, à partida, não o parecem.

E que tornam uma mera gripe

Num tumulto da pior espécie.

Mas para quem padece

Apenas de uma simples maleita,

Não se poder deslocar

É pior do que qualquer desfeita.

Não nos podemos mover

Nem escolher o que fazer,

Como se fossemos controlados

Por esta falta de prazer.

Letargia, por um lado,

Virose, por outro.

Enfim, as paredes já estão cansadas

Do meu vaguear.

Até que mais uma vez,

Finalmente lá consigo adormecer e posteriormente imaginar.

Esperando com muita determinação,

por horas e horas a fio.

Que acabe esta sensação,

Este autêntico calafrio.

Para poder caminhar, novamente,

Sem nunca me descurar do presente,

Fugindo deste calabouço

Que prende a nossa mente.

Encontrando um novo refúgio,

Que nos afaga e nos acalma,

Qual descarga de adrenalina

Que nos alegra a própria alma.

Pedro Maia

Pintura de Zdzisław Beksiński

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: