OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

Às vezes é saboroso depararmo-nos com um livro alternativo. Foi assim que peguei e li “Roendo o osso – As máximas (e mínimas) do cachorrinho” (Editora Publisher, 2008, 88 páginas), de Ohi e Mouzar Benedito. O livro encontra-se esgotado, de forma que tenho uma raridade em mãos, mas uma versão atualizada está disponível no Kindle …

Continue reading