OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

viva o rock brasileiro #9

Quando tinha nove anos, ouvi uma canção que colou nos ouvidos, chamada O Carimbador Maluco, do Raul Seixas, para um programa infantil. Vamos à letra?

5… 4… 3… 2

Parem! Esperem aí

Onde é que vocês pensam que vão?

Ãn-ãn

Plunct Plact Zum

Não vai a lugar nenhum!

Plunct Plact Zum

Não vai a lugar nenhum!

Tem que ser selado, registrado, carimbado

Avaliado, rotulado se quiser voar!

(Se quiser voar)

Pra Lua: A taxa é alta

Pro Sol: Identidade

Mas já pro seu foguete viajar pelo universo

É preciso meu carimbo dando o sim

Sim, sim, sim

Plunct Plact Zum

Não vai a lugar nenhum!

Plunct Plact Zum

Não vai a lugar nenhum!

Tem que ser selado, registrado, carimbado

Avaliado, rotulado se quiser voar!

(Se quiser voar)

Pra Lua: A taxa é alta

Pro Sol: Identidade

Mas já pro seu foguete viajar pelo universo

É preciso meu carimbo dando o sim

Sim, sim, sim

Plunct Plact Zum

Não vai a lugar nenhum!

Plunct Plact Zum

Não vai a lugar nenhum!

Mas ora, vejam só, já estou gostando de vocês

Aventura como essa eu nunca experimentei!

O que eu queria mesmo era ir com vocês

Mas já que eu não posso

Boa viagem, até outra vez

Agora o

Plunct Plact Zum

Pode partir sem problema algum

Plunct Plact Zum

Pode partir sem problema algum

Boa viagem

Plunct Plact Zum

Pode partir sem problema algum

Plunct Plact Zum

Pode partir sem problema algum

Boa viagem, meninos, boa viagem

Um pouquinho mais velho, aos 11, 12 anos, como já dito aqui, ouvia o som alto do vizinho Arílson com as letras interessantes de Raul Seixas. E foram tantas! Eu nasci há dez mil anos atrás, Gita, Sociedade Alternativa, Medo da Chuva e outras. O legado do cantor marcou-me profundamente, ainda para mais ele morreu cedo, em 1989. Morreu o homem, consolidou-se o mito. Mais que merecido. O epíteto Maluco Beleza deve-se a uma das suas canções, e a verve roqueira foi substituindo uma levada bem menos refinada do início de carreira.

Raul Seixas continua até hoje idolatrado pelo facto de não vermos o sujeito envelhecer. Confesso que o menino de 13, 14 anos não tinha condições de interpretar tanta profundidade, de um sujeito que cantava as coisas do Universo, das sociedades alternativas e que apregoava que preferia ser uma metamorfose ambulante a ter uma opinião formada sobre tudo.

Desde sempre, raramente peguei num disco do artista para ouvir. Mas as canções iam pipocando como na afirmativa de que “Quem não tem colírio / usa óculos escuros” e somente nestes dias a minha esposa interpretou corretamente o trecho: “Quem tem mulher feia, usa óculos escuros para ver as belas.” Entendida ela, não? E eu piamente acreditando no defeito da visão, que sujeito parvo eu sou. E o que dizer da canção incomodativa que afirma que “Eu sou a mosca que pousou na sua sopa?

Ao longo de 26 anos de carreira, o Maluco Beleza lançou dezessete discos

Um exercício que me desafiarei ainda a fazer é ouvir a obra toda do Maluco Beleza, com todas as suas fases. Percebi o óbvio: o séquito de fãs só cresceu e virou vanguarda e despeço-me aqui com uma filosófica e motivacional Tente outra vez, um oportuno conselho a cada um de nós. Vamos a ela?

Veja

Não diga que a canção está perdida

Tenha fé em Deus, tenha fé na vida

Tente outra vez

Beba (beba)

Pois a água viva ainda ’tá na fonte (tente outra vez)

Você tem dois pés para cruzar a ponte

Nada acabou, não não não

Oh oh oh oh tente

Levante sua mão sedenta e recomece a andar

Não pense que a cabeça aguenta se você parar

Não não não não não não

Há uma voz que canta, uma voz que dança

Uma voz que gira (gira)

Bailando no ar

Oh queira

Basta ser sincero e desejar profundo

Você será capaz de sacudir o mundo, vai

Tente outra vez

Tente (tente)

E não diga que a vitória está perdida

Se é de batalhas que se vive a vida

Tente outra vez

Raul Seixas fazia o tipo roqueiro. No final da sua vida, alcoólatra, largado e displicente, já não se aguentava de pé nos palcos, mas percebemos que as suas atitudes genuínas carregavam muito de um espírito infantil, como se se destinasse a um foguete que percorreria o universo como na canção O Carimbador Maluco. Meio o tio daquela geração toda do rock nacional dos anos 80, é uma referência ainda hoje de excelência e autenticidade.

Marcelo Pereira Rodrigues

Se queres que OBarrete continue ao mais alto nível e evolua para algo ainda maior, é a tua vez de poder participar com o pouco que seja. Clica aqui e junta-te à família!

One thought on “O Maluco Beleza do rock brasileiro

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: