OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

Desde que assistiu ao filme “Contágio” (2011), realizado por Steven Soderbergh e que conta com a participação de Matt Damon, o filósofo entendeu a premissa básica: lendo um comentário do realizador à época, acerca da inevitabilidade da pandemia, não seria o caso de se perguntar se haveria a doença, mas quando. Assim, o filósofo ficou preocupado e, mais que preocupado, ocupado. Passou a estudar a gripe espanhola (que nem espanhola era), a H1N1, a SARS e outras. No seu meio, não encontrava interlocutores para levar adiante suas teorias, e percebia tudo, desde amigos coçando o nariz com coriza e estendendo cinco minutos após a mão para cumprimentá-lo.

O filósofo ignorava a mão estendida, tocava o ombro do interlocutor, se despedindo. Não era hipocondríaco, antes precavido. Acostumou-se a andar de luvas e quando resfriava, utilizava máscaras cirúrgicas, evitando ao máximo sair de casa, solicitando licenças do seu trabalho na universidade. Os conhecidos do bairro brincavam com ele, chamando-o de “mascarado”, “Tiazinha”, “astronauta”, etc. Ria e não se importava, apenas observava que algumas pessoas fugiam dele, temerosas de que tivesse uma doença incurável, ainda mais quando tossia.

Eis que a COVID-19 apareceu e veio colher o filósofo no meio do turbilhão. Quando a grande mídia soube do histórico de suas preocupações, quis entrevistá-lo. São inúmeras solicitações de entrevistas (“quem informou o meu número?”) e se fosse atender a todos, o risco de contágio seria grande. Se atendesse a todos em uma coletiva que fosse, seria proibido pelas autoridades governamentais e entenderia isso, pois os pedidos ocasionariam uma aglomeração. E agora, até concursos literários existem para relatar como será o futuro da humanidade pós-pandemia e como cada indivíduo se comportará daqui em diante.

Interessou-se a escrever, como forma de extravasar os seus dilemas, mas tomaria o cuidado de não parecer presunçoso nem arrogante ao traçar essas linhas. Nunca quis a celebridade, não seria agora, aos 45 anos, que se deixaria picar pela “mosca azul”. Começaria escrevendo que dificilmente as pessoas aprenderiam com essa catástrofe, exceto os diretamente atingidos por ela. Quando a OMS informasse o total de óbitos no mundo, o grosso da população perceberia se tratar de uma percentagem apenas e trataria de cuidar de seus afazeres práticos.

A onda de solidariedade seria apenas a oportunidade para se divulgar nas redes sociais e as pessoas se aglomerariam novamente nas festividades do carnaval, partidas de futebol e shows musicais, além de lotarem shoppings centers, parques públicos, etc. Não que o filósofo esteja do alto de um camarote observando esse exército de formigas, não é nada disso. Sua constatação, prima da observação e do entendimento do tempo cronológico (o antes e o depois) o fazem acreditar que o grosso da população, que custa a entender premissas científicas, sendo a ciência a filha mais nova da filosofia, portanto, é a possibilidade de retiro para reflexão e mais humildade para o “líquido venenoso”, o vírus.

O filósofo entende, agora silenciosamente, que a raça humana, essa tão grandiloquente espécie, que se arvora a modificar, explorar e esgotar a natureza, é uma espécie frágil que não consegue fazer frente a um vírus. Não que o filósofo se coloque numa plataforma superior (importante reafirmar), ele mesmo refletia sobre a quantidade de combustível que as aeronaves que o levavam a congressos em Oxford, Sorbonne, Harvard e USP dispersavam na atmosfera.

Sendo assim, na explosão de necessidades de contatos após um breve período de isolamento social, nessa roda viva onde o imediatismo vem colher a todos no julgamento de que uma semana trancado em casa é uma eternidade, como se estivessem condenados a viverem na solitária da Bastilha, o esperado serão aglomerações e aglomerações, até no jardim público onde senhores de boinas confraternizarão nos seus jogos de bocha.

Espera-se muito pouco do futuro nesse mundo pós-pandemia. O filósofo continuará no seu exercício de levar uma vida mais espirituosa, sem exigências de status e que bom seria se passasse ao largo da fama (“Quem foram os infelizes que informaram o meu número a esses ávidos urubus sensacionalistas? Se não tivesse que saber notícias de minha mãe, que está em Londrina, juro que descartaria o aparelho”.). Continuará lecionando, entendendo a máxima de que, num auditório, quando falamos para cem, dez prestam verdadeiramente a atenção, três se inspiram e procuram mudar comportamentos e apenas um o faz de fato.

Nada que o desestimule, e ainda mais agora que está às voltas com um estudo sério que afirma que as placas tectónicas no Brasil estão em vias de se assentarem, e em um estudo secreto de geólogos da USP aventam a possibilidade de um terremoto de magnitudes inimagináveis (Dr. Alcindo, um tanto quanto alarmista, disse ao filósofo que passará de 10 na Escala de Richter). Ambos discutem ainda, sendo que o filósofo sugere que, se a escala do sujeito vai até 10, não pode passar. “Que venha um matemático!” sugere Dr. Alcindo.

Marcelo Pereira Rodrigues

Pintura de Zdzisław Beksiński, “Untitled” (1985)

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: