OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

Em 1982, após o seu lançamento, o filme “The Thing” teve uma recepção tão negativa com a maioria dos críticos a categorizarem-no de “lixo instantâneo” e de fiasco, sendo que até os fãs de ficção científica odiaram. Embora o filme tenha sido indicado para alguns prémios Saturn, também foi indicado nos Razzie Awards para pior banda sonora (hã!?).

Como consequência do desempenho tão decepcionante, John Carpenter perdeu a confiança em algumas oportunidades de realizar outros filmes de terror. Também conhecido como “o filme mais odiado de todos os tempos”, “The Thing” tornou-se uma das melhores obras de terror e ficção científica, e hoje é definitivamente um clássico de culto, elogiado pelos seus momentos arrepiantes, efeitos visuais e criativos, tom niilista e, como é claro, pela sua música.

Sexta banda sonora mais assustadora, segundo a Rolling Stone

The Thing” é um dos poucos filmes de Carpenter cuja banda sonora não é composta pelo próprio. Então, deixou as honras para o maestro Ennio Morricone, querendo uma abordagem musical europeia. A sua decisão provou ser uma jogada sábia, pois o que Morricone compôs é inegavelmente uma obra única na história da composição de terror. No entanto, o músico produziu aproximadamente uma hora de material que permaneceu praticamente sem uso. A razão para tal foi que Carpenter sentiu que algumas peças não se encaixavam nas cenas de tensão, e como resultado, o realizador acabou por gravar alguns efeitos sonoros para essas cenas.

Quanto à música, Morricone escreveu tanto para orquestra, como para sintetizador, e nalguns casos para ambos. Muito distante da sonoridade habitual do compositor italiano, a música em “The Thing” é muito intensa e assustadora. Além disso, quase não há melodia, a ênfase está na criação de uma atmosfera emocionante, elevando as qualidades do terror psicológico.

Na parte orquestral, começa com Humanity (Part 1), uma peça lenta de sete minutos que apresenta o tema principal do filme e estabelece o ambiente sombrio para o resto do disco. Não apenas se centra numa atmosfera sombria, mas também cria um sentimento de confusão com Contamination, que se assemelha à estética da música moderna, e cria um senso de intensidade emocional com Bestiality, claramente influenciado por Bernard Herrmann.

Classificação da Pitchfork, de 0-10

Na parte para sintetizador, Morricone mistura uma abordagem minimalista com um som de órgão barroco. Quando o lado A está prestes a terminar, há a primeira faixa electrónica Eternity, que começa com uma única nota que determina o ritmo e alguns ruídos electrónicos, depois crescendo num mar de órgãos, criando uma estética um tanto surreal.

No lado B, há Sterilization, que possui uma progressão sombria de acordes de órgão, juntamente com um trabalho de sintetizador exclusivo que continua a adicionar camadas após camadas de melodias minimalistas. Depois, há Humanity (Part 2), um reprise versão electrónica, mas o compositor italiano não deixa o seu órgão de fora: uma visão ainda mais sombria da primeira faixa. Dito isto, a utilização de sintetizadores e de alguns elementos que lembram Iannis Xenakis ou Karlheinz Stockhausen, tornam toda a sonoridade muito interessante e cativante.

Em suma, a trilha de “The Thing” não é apenas uma boa combinação com os efeitos especiais alienígenas, mas o mais importante é que habilmente coloca o significado mais profundo do filme na música. Ouvir música sozinha sem as imagens pode ser uma coisa diferente, especialmente para aqueles que acreditam que esta funciona melhor em conjunto com a componente visual, mas não desta vez. O maestro Ennio Morricone intensificou o seu jogo e acabou por criar uma banda sonora minimalista, com suspense, para um dos melhores filmes de John Carpenter. Além disso, não perde a sua eficácia, pois captura perfeitamente o desespero presente na obra. Um dos melhores trabalhos do maestro, com certeza.

João Filipe

⭐⭐⭐⭐

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: