OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

Aconteceu no Oeste” (1968) é um daqueles clássicos do cinema que estão inexoravelmente ligados à música. Como sempre, Sergio Leone trabalhou com Ennio Morricone na banda sonora de um dos seus westerns, e, novamente, é um casamento muito bem sucedido. A música altamente visual que Morricone compõe aqui faz com que o espectador experimente o filme mais do que uma vez. Ele deixa regularmente tudo em suspension of disbelief e, às vezes, mantém a cena muito sóbria, mas a tensão que deve surgir do filme é sempre amplificada pela música. Esta trilha geralmente também se destaca e apresenta os leitmotivs, pequenas melodias relacionadas com cada uma das personagens principais do filme, tal e qual como uma “Ópera Wagneriana”.

Ao longo de treze faixas, Morricone captura eficientemente a extensão desolada do mundo western, usando uma variedade de temas e arranjos diferentes. Acima de tudo, a faixa Once Upon a Time in the West é perfeita: a introdução mais esplêndida, repleta de violinos, canto coral e quando a voz solo começa a cantarolar a melodia – esse é um dos momentos mais magníficos presente no disco. Mas outras faixas também são incríveis, é claro, começando com o leitmotif da harmónica, épico e dramático, sempre adequado. Músicas como As a Judgement e Man With a Harmonica incorporam uma guitarra eléctrica para efeito epopeico, enquanto A Farewell to Cheyenne inclui assobios e um ritmo clip-clop. Há também alguns temas mais sombrios e ambientais, como The Transgression e as duas faixas Tabern, que realmente confinam aquela atmosfera lenta e perigosa. Finalmente, há Finale, uma obra de arte simplesmente deslumbrante que cresce cada vez mais com a  inigualável voz da cantora italiana Edda Dell’Orso.

Em suma, “Once Upon a Time in the West” é emocionante, emocional e cativante. A banda sonora funciona definitivamente sem o filme e, de facto, a sua profundidade musical é apenas realmente perceptível sem o opulento fluxo das imagens. Como Ennio Morricone consegue traduzir a vastidão da pradaria em música é simplesmente maravilhoso. A música num todo contribui para a grandeza do filme e, como a trilha de “O Bom, O Mau e O Vilão” (1966), é considerada um dos maiores trabalhos do maestro Morricone.

João Filipe

Rating: 4 out of 4.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: