OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

“L’Oiseau de feu” foi um trabalho encomendado por Sergei Pavlovich Djagilev para a companhia Ballets Russes, com o qual se basearia no sucesso alcançado em 1909 pela empresa em Paris. Anatoly Lyadov foi originalmente planeado para a composição, mas desde que este hesitou em se comprometer, Djagilev entregou em dezembro de 1909, a ordem ao então amplamente conhecido Igor Stravinsky. O enredo cénico, o libreto, foi criado por Michel Fokine, um dos dançarinos mais importantes e coreógrafo da Ballets Russes. A combinação da tradição russa de contos folclóricos com aparições espectaculares no palco, como o pássaro de fogo brilhante, a árvore milagrosa, o ovo gigante e os monstros de duas cabeças, teve um grande efeito no público francês, quando foi apresentado pela primeira vez na Ópera de Paris, no dia 25 de Junho de 1910. Antes de analisar este ballet, é importante notar que Stravinsky mais tarde fez várias versões: 1911 Suite; 1919 Suite; e 1945 Ballet Suite.

A composição original de 50 minutos de 1910 foi escrita para uma grande orquestra, incluindo sopros de madeira, três harpas e um piano. Dividido em dois Tableaux, o ballet, provavelmente o primeiro trabalho maduro de Stravinsky, contém muitas das técnicas e características que atribuímos ao som que é Stravinsky. Nessa composição, o compositor russo de 27 anos tentou revoltar-se arrogantemente contra o seu antigo professor, Nikolai Rimsky-Korsakov. No entanto, Stravinsky usou várias ideias de obras de Korsakov. Um dos traços do filho de Fyodor Stravinsky é como este usa trítonos para representar a magia do mal, e a mais simples harmonia e progressões de acordes para mostrar a magia do bem. Isso pode representar um vislumbre do Pássaro de Fogo.

O final dramático é um bom exemplo das ideias básicas da teoria musical. Em particular, o princípio da multi-resolução e a estrutura hierárquica dos elementos de frequência do tempo são proeminentes na passagem. Também é possível encontrar a organização stravinskiana característica do som em estratos de pulsação. É interessante que esses estratos sejam ouvidos com mais clareza, se prestarmos atenção ao arco de repetição do tema principal em passos crescentes, esse arco muito longo é uma repetição numa escala de tempo mais longa dos arcos menores que formam a corda fundo entre os glissandos. Stravinsky repete o tema principal muitas vezes em várias escalas de tempo, que, em vez de glissandos serem usados para separar cada strata, Stravinsky introduz poderosos golpes de percussão e metáforas para os pássaros voadores.

Em suma, “L’Oiseau de feu” é uma das peças musicais mais impressionantes do século XX e é considerado um trabalho pioneiro. Para Igor Stravinsky, foi um grande avanço, tanto com o público como com os críticos, alcançando sucesso e fama. O sucesso do ballet garantiu também a Stravinsky a posição como compositor principal de Diaghilev, havendo conversas imediatas sobre uma sequela, que levou à composição de “Petrushka” e “Le Sacre du Printemps”. O trabalho do compositor russo exerceu uma grande influência na música, indo além dos limites da música erudita. Curiosamente, o grupo de prog rock Yes abria quase todos os concertos ao vivo com trechos deste ballet, e a canção Gates of Delirium é altamente influenciada pelas ideias musicais pioneiras de Stravinsky.

João Filipe

Rating: 3.5 out of 4.

One thought on ““L’Oiseau de feu”, Igor Stravinsky: O primeiro ballet moderno

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: