OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

No outono de 1977, Marc Hollander formou uma banda somente “ao vivo”, os Aksak Maboul. Os belgas começaram a participar ativamente nos concertos, atraindo a atenção do público em geral com a excessiva desintegração intelectual. Naquela época, o parceiro Vincent Kenis aposentou-se completamente das funções de performer, limitando-se ao papel de arranjador, e o líder, empolgado pelos seus discursos, habilmente vinculou contactos e conhecidos à escala internacional.

Na órbita amigável de Hollander, os pilares britânicos do género “Rock In Opposition”, ou somente RIO, Fred Frith e Chris Cutler (ambos da banda Henry Cow) apareceram subitamente, e o mestre violoncelista Denis Van Hecke juntou-se a eles. Tendo completado a banda com velhos conhecidos (a vocalista Catherine Jauniaux, o instrumentista de sopro Michel Berkman, e o teclista e percussionista Frank Wojc), Marc Hollander comprometeu-se a cavar um poço composto por um amplo leque de experimentações.

“Un Peu De L’Âme Des Bandits” (em francês para ‘m pouco do espírito dos bandidos’), lançado em 1980, difere do disco predecessor, “Onze Danses Pour Combattre la Migraine”, de 1977. Tanto no humor quanto na escolha dos meios. O que condicionou, em primeiro lugar, um arranjo diferente de sotaques. A trava-línguas pseudo-polinésia de Jauniaux na peça A Modern Lesson, num cenário cheio de sonoridades surrealistas e do jazz, estabelece a selvagem viagem que este disco será.

Num esboço espirituoso de Palmiers En Pots, Hollander e companhia merecem uma articulação virtuosa da passagem Trio (Nuits D’Argentine) do acordeonista francês André Vershurena. Uma divertida faixa com um ritmo de tango composto por Hollander e Wojc. Depois temos Geistige Nacht (Rondo), um prog insano gerado pela consciência inflamada de Fred Frith. Dentro da sonoridade de Henry Cow ou Univers Zero, a banda envolve-se num caos dominado pelo free jazz entre os temas da música que desafiam a sanidade mental do ouvinte.

Marc Hollander e o ex-colega Vincent Kenis

Dentro da invasão do território da etnia monocromática, neste caso turca, temos I Viaggi Formano La Gioventu. É especialmente surpreendente a transformação artística de Van Hecke: do refinado sangue aristocrático flamengo, de repente transforma-se num sulista sensual, cantando o texto no dialeto otomano. Uma faixa claramente hipnótica. Como um tributo ao punk rock, acabando por ser pioneiro no cripto-punk, Inoculating Rabies entra a matar com linhas selvagens de guitarras e baixo com o apoio do fagote com um clarinete, algo que não é frequentemente encontrado.

Finalmente, o épico de 23 minutos Cinema, composto por quatro andamentos, é um híbrido absolutamente louco das tendências filarmónicas à la Edgard Varèse, com um ambiente sonoro psicadélico, extensos ataques de rock e jazz e muito mais.

Em suma, “Un Peu De L’Âme Des Bandits” é provavelmente o disco mais representativo desse movimento chamado de “Rock in Oposition” e não apenas isso, é provavelmente um dos discos que pode continuar a soar fresco após várias revisitações.

O segundo lançamento de Aksak Maboul supera drasticamente o seu álbum de estreia, mostrando muito mais intensidade e experimentação. Este disco é definitivamente um ser estranho, densamente aromatizado com especiarias, projetado para um público de elite.

João Filipe

Rating: 3.5 out of 4.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: