OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

A política de Henry Cow era tão radical quanto a sua música. Não é de admirar que a cor dominante da capa seja vermelha, o que simboliza as ideologias comunistas, e isso nunca foi tão explícito como em “In Praise of Learning”, o segundo álbum a sair da colaboração entre Henry Cow e Slapp Happy, e o terceiro trabalho de Henry Cow.

Dois álbuns foram gravados quase ao mesmo tempo pelos dois grupos, o primeiro sendo lançado sob o nome de Slapp Happy e chamado “Desperate Straights”, enquanto este foi lançado alguns meses depois. O conteúdo lírico deste disco é focado nas ideologias marxistas e no idealismo revolucionário. Além disso, este é o terceiro e último álbum com a capa das meias com cota de malha.

O álbum começa com War, uma maravilhosa breve canção não convencional, com uma melodia cativante e letras ameaçadoras quase que cuspidas pela furiosa Dagmar Krause, o resultado funciona de maneira fantástica. Isto leva à peça central do álbum, a notável Living In The Heart of the Beast, de Tim Hodgkinson, uma peça de 15 minutos cheia de passagens complexas e convincentes. Fred Frith toca guitarra elétrica numa desolada paisagem sonora, enquanto Dagmar entoa as letras em ruínas.

Os Henry Cow ao vivo na década de 1970

A interação entre a guitarra de Frith e a voz de Dagmar na primeira metade desta composição é notável. Depois de pintar uma imagem de desespero sombrio, a segunda metade da peça é rítmica e mais disciplinada. Diz muito sobre as habilidades de Henry Cow enquanto compositores e intérpretes neste manifesto revolucionário cantado com música complexa. O ritmo acelera gradualmente à medida que a peça chega a uma conclusão, impulsionada por uma maravilhosa linha de baixo borbulhante e melódica de John Greaves. Assim encerra o lado A do disco.

A segunda metade do álbum começa com Beginning: The Long March, uma colagem de improvisações e um trabalho de fita que Henry Cow incluiu na segunda metade do segundo álbum “Unrest”. Esta é certamente a faixa mais difícil, com uma vertente mais vanguardista e atmosférica do que as duas anteriores, mas funciona de maneira muito eficaz. A peça central do lado B é Beautiful as the Moon – Terrible as an Army with Banners, com palavras de Chris Cutler e música de Frith.

O arranjo é simples e organizado, com Dagmar a cantar sobre um acompanhamento de piano e bateria com apenas os mais subtis enfeites. A bateria de Cutler é simples e contida, mas inquieta e complexa como sempre, e este pode ser o seu melhor momento. O disco termina com Morning Star, outro instrumental cheio de improvisações, com curvas exóticas, ruídos bizarros e uma bateria fantástica. Mais uma vez, a performance de Cutler é de particular importância nesta música.

João Filipe

Rating: 4 out of 4.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: