OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

A estreia da banda alemã Faust é talvez o fenómeno mais incompreensível que se possa imaginar no mundo da música. As leis que governavam a evolução do rock foram simplesmente quebradas no momento da gravação deste álbum, podendo certamente chamá-lo de uma espécie de milagre artístico. Vamos relembrar que estamos em 1971, quatro anos depois de “The Piper at the Gates of Dawn” (1967) dos Pink Floyd, “White Light/White Heat” (1968) dos Velvet Underground, e até mesmo de duas obra-primas de 1969, “Trout Mask Replica” de Captain Beefheart e “Uncle Meat” de Frank Zappa.

O protagonismo absoluto em “Faust” é, sem dúvida, as qualidades abstratas alienantes que conferem à obra uma abstração frutífera que não resulta simplesmente na criação de um disco muito estranho, mas de um espaço indefinido rico em metáforas, antes de tudo na consciência muitas vezes pessimista da condição humana.

A rutura com o passado, a serenidade desbotada dos portos seguros, é imediatamente esclarecida com o início da primeira música com um título bizarro e misterioso: Why Don’t You Eat Carrots?. Este incipiente consiste numa barreira sonora de cerca de um minuto, da qual emergem alguns segundos de dois temas épicos: All You Need Is Love, dos The Beatles, e (I Can’t Get No) Satisfaction dos Rolling Stones. A barreira impenetrável de ruído, guardiã dos segredos, para quem acidentalmente se deparar com Faust, agora corroída pelo vento fatal do futuro.

Após uma pausa no piano, passamos a uma marcha de circo repetitiva e hipnótica que ocorre em duas etapas: uma mais curta, carregada de humor, e outra mais longa, ligada pelo som da trombeta que caracteriza a última, da qual emerge um elemento-chave do disco, não apenas como presença acústica, mas também num nível metafórico: um apito cósmico desvanecido à distância; rápido e sensivelmente futurista, pontuado por um sinal de sino.

Faust ao vivo em 1971 / Fotografia de Heinrich Klaffs

A abertura da segunda faixa Meadow Meal é baseada na música concreta de Stockhausen que oferece uma trégua musical no final, a partir da qual, um cúmplice cruza, com as vozes num verso, um significado obscuro, mas certamente brincalhão. Nesta altura, o nosso cérebro está lentamente a começar a procurar alguma ordem nesta loucura, que será efetivamente revivida pela aparição repentina de um tema festivo tocado numa guitarra elétrica cheia de distorção.

Se alguém ainda não ficou louco, ou pelo menos não fez uma boa viagem, ouvirá como a panorâmica musical alegre e esquizofrénica será ciclicamente inundada por ondas sonoras cósmicas que lembram certamente filmes de ficção científica.

Com a terceira e última composição, Miss Fortune, Faust explora bem o que chamaríamos de “uma canção”. As modulações eletrónicas que tremem e alcançam o abismo abrem a suite, harmonizada por uma viola quase tranquilizadora, mas difícil de entender por causa da camada de sons. Minutos seguem o sinal de dilatação e improvisação, da qual emerge uma música um pouco desajeitada, quase bêbada, mas de alguma forma concreta e tocante. A continuação é inteiramente experimental entre improvisações, sons lúdicos e um progressivo engrossamento harmónico de coros.

Em resumo, “Faust” é um álbum que, além de manobrar habilidades experimentais dignas de aclamação, por ser profundamente único, inspirado e inimitável, traz consigo uma carga de alegorias e símbolos às vezes explícitos, às vezes enigmáticos, mas extremamente densos. O cenário cinza quase sem abrigos cromáticos, que é um prodígio deste álbum.

A interpretação dos indivíduos às vezes pode ser imprudente, mas o carácter emergente da obra na sua totalidade é evidente. Como um caixão alienígena impregnado de pessimismo humano, decorado com alguns elementos que às vezes são muito divertidos, mas que não fornecem nenhum mecanismo de escape de uma situação cósmica muito mais séria. Uma obra-prima absoluta e irrepetível.

João Filipe

Rating: 4 out of 4.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: