OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

“The Soft Machine”, produzido por Chas Chandler e Tom Wilson, é o álbum de estreia de um dos dois grupos que surgiu após o fim de The Wilde Flowers, e o início de uma transformação longa e próspera que envolveu muitas mudanças e estilos subtis. Principalmente devido à mudança frequente de músicos, tornando-o um álbum muito importante como ponto de partida dos Soft Machine, uma banda notável e influente que encontrou o seu nome num romance de William S. Burroughs. Como em todos os álbuns dos Soft Machine, é importante mencionar os membros da banda na época: Robert Wyatt na bateria e vocais, Mike Ratledge nos teclados e Kevin Ayers no baixo e nos vocais. Esta formação específica, combinada com o ambiente cultural em que o álbum foi gravado, resultou numa forma de rock psicadélico de Canterbury que atrai influências do pop, pois incorpora formatos de música tradicionais: duração curta e música orientada para letras.

A música é liderada principalmente pela bateria e pela voz, enquanto o baixo e o teclado parecem simplesmente acompanhar os ritmos e melodias de Wyatt. Tem um som de Canterbury progressivo e particularmente muito complexo, que mais tarde muitos grupos foram influenciados. Os longos solos de teclas estão sempre presentes na história da banda devido à influência de Mike Ratledge, mesmo no álbum de estreia, que tem um forte sentimento lírico e mais estruturado em comparação com o resto da música que os Soft Machine desenvolveram. Além disso, os muitos trechos experimentais, colagens sonoras e passagens puramente instrumentais que a banda conseguiu espalhar ao longo deste álbum dão uma impressão bastante infantil e desinteressante, especialmente se comparados aos efeitos que haviam sido alcançados um ano antes pelos seus amigos e colegas Pink Floyd, em “The Piper At The Gates Of Dawn”.

Em suma, “The Soft Machine” é realmente bom, mas o som geral não faz justiça a estes músicos e, às vezes, pode acabar sendo um pouco aborrecido. A maioria das faixas foi gravada ao vivo com muito poucos overdubs. Da mesma forma, o som não é tão emocionante quanto uma gravação ao vivo. Kevin Ayers disse uma vez que este álbum poderia ter sido muito melhor, se o engenheiro de som estivesse interessado no projeto. Afinal, este é um disco muito importante, não apenas por ter sido um dos pontos de partida para o prog-rock, com uma abordagem jazz, como todas as bandas de Canterbury, mas foi também o nascimento de uma banda que iria explorar novos terrenos e forçar vários limites, mesmo que permaneça relativamente desconhecido.

João Filipe

Rating: 3 out of 4.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: