OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

Este álbum conceptual brasileiro de tirar o fôlego é uma obra-prima do prog-rock experimental. Arrigo Barnabé é, após uma longa pesquisa sobre música, um dos compositores mais criativos e inovadores do dodecafonismo. O que Arrigo lidera no seu primeiro trabalho, lançado em 1980, é uma ópera agressiva e irónica, satirizando a vida degradada da grande cidade de São Paulo, realizada com músicas bem trabalhadas, aclamadas como a criação mais inventiva que se entende por música popular tradicional, infiltrando-se com uma combinação perfeita de heavy/prog-rock, jazz e música clássica.

As palavras foram cuidadosamente escolhidas, tornando a trama irónica sobre as circunstâncias brasileiras do seu tempo: ditadura militar. As palavras “Clara” (nome feminino) e “Crocodilo” foram escolhidas para causar um impacto gramatical. A letra conta uma história sobre um Carteiro e a sua saga até à sua transformação em Clara Crocodilo. As rimas e refrões são realmente hilariantes de uma maneira inteligente.

Agora, a música em si. Esta contém uma forma narrativa muito autêntica. Arrigo Barnabé toca piano e todos os teclados, e a banda é chamada de Sabor de Veneno. É notável como o artista adora misturar a sua voz agressiva e áspera com um coro numa oitava acima, com resultados épicos. Existem várias melodias vocais: frases repetidas num coral estranho, o que seria um grande atrativo para os fãs de Magma. Acapulco Drive-In e Orgasmo Total são como um pontapé de saída sarcástico e bizarro. Ambas as faixas são um bom aquecimento para a próxima suite. Então chegamos à primeira suite zheuliana, em estilo ópera: Diversões Eletrónicas. A história lírica é um ótimo entretenimento, e a maneira como ela se mistura perfeitamente com a música. Está repleto de piadas instrumentais, como o saxofone a “rir” enquanto uma mulher lança um riso perverso. Instante é o tema final místico, refrescando o cérebro após uma erupção psicadélica fria, sem perder o sentido do arco-íris do vómito do vulcão.

No lado B, Infortúnio, precedido por Sabor de Veneno, começa lentamente num estilo funerário, com uma soprano a contar a história de uma mulher que perdeu o marido. A faixa torna-se tecnicamente enérgica como uma música dos Gentle Giant, enquanto a carta mostra o trágico final da vida da viúva. Então, a suite principal, Clara Crocodilo, começa aqui com uma sincronização de múltiplos compassos. Quadros de intrigas aleatórias, lutas comuns na vida quotidiana e o enredo fazem fronteira com o ridículo absurdo. Clara Crocodilo, o grande clímax, golpeia o surrealismo com um solavanco pneumático de água viva. Após cerca de um minuto de apresentações, Clara Crocodilo é lançada. Na verdade, o momento de libertação de Clara Crocodilo é um hino de rebelião contra a ditadura: “Quem quer que eu consiga não me calar / não vou morrer nas mãos de uma tira / quem me deixa calar / não vou morrer nas mãos de um rato“.

Sendo extremamente fora de qualquer limite inimaginável, o álbum de estreia de Arrigo Barnabé é um dos mais inovadores de todos os tempos. Um absoluto clássico que mostra que é possível fazer coisas cativantes e estranhas, com bom gosto.

João Filipe

⭐⭐⭐⭐

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: