OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

Em 28 de dezembro de 1959, no Reeves Sound Studios em Nova York, um trio gravou com Jack Higgins, um esplêndido engenheiro de som, este álbum, intitulado simplesmente e com precisão “Portrait In Jazz”. É especialmente bem-sucedido porque é realmente um retrato do jazz; se um dia alguns exploradores, dentro de vários séculos, encontrarem este álbum, estes poderão ter uma ideia do que é o jazz.

Isto porque este trabalho reúne todos os ingredientes necessários para isso: balanço, profundidade, devaneios, liberdade, capacidade de sugerir, respeito pelo ouvinte, desejo de conhecimento, espírito aventureiro. É inovador e respeita a tradição de transcender. Não pára em nenhum ponto, mas continua firmemente ancorado no seu caminho em direção à beleza mais absoluta.

Este é o primeiro de quatro álbuns do excelente trio de Bill Evans, composto por Evans no piano, Paul Motian na bateria e Scott LaFaro no baixo. A morte prematura de LaFaro em 1961 poria fim a esta versão do trio, mas ele apresenta-se aqui em boa forma. Além disso, o talento de Motian é simplesmente excelente. Num cenário de trio de piano, o baterista pode facilmente dominar o clima, mas Motain é deliciosamente discreto e de bom gosto na sua execução.

Mais do que uma secção rítmica para complementar as fantasias de Bill, é o desejo instantâneo de La Faro de jogar arriscadamente, o ataque epiléptico de Motion nos seus pratos, que sinalizam para Evans que ele deve apresentar um oposto polar nessa tela, o seu sonhador e pacífico toque.

Apesar da relativa falta de originais, o material é muito bom, dando uma nova vida a standards como Witchcraft, Autumn Leaves e Come Rain Or Come Shine. Mas há muito para apreciar, mesmo que a maioria das músicas sejam simples de standards populares. Autumn Leaves contém toda a poesia, melancolia e nostalgia – esta aura indefinível das letras de Jacques Prévert, sem precisar cantar; When I Fall In Love transmite a ilusão, a levitação, a fragilidade e a força de se apaixonar, aquele momento mágico e irrepetível que eleva o homem acima de outros seres mortais; Spring Is Here captura a imbatível sensação de renovação, de floração, de mudança de pele, de estar alegremente vivo.

O piano de Bill chamou-me mais a atenção aqui, embora talvez isso tenha a ver com a presença atenuada de LaFaro. Além disso, Someday My Prince Will Come e Blue in Green contrastam com as versões gravadas por Miles Davis.

Concluindo, “Portrait in Jazz” é leve, mas isso nem sempre precisa ser uma coisa má. Reinvenções surpreendentemente novas de standards antigos, flexíveis e relaxadas com o baixo de LaFaro a guiar a música tanto quanto o piano de Bill Evans. Não há dúvida de que todos são ótimos músicos. Para fazer um trio de piano, a banda precisa de seleccionar a música certa para tocar. No entanto, com muitos standards populares de jazz, como é o caso de “Portrait in Jazz”, o álbum pode ficar um pouco repetitivo aqui e ali.

João Filipe

Rating: 3 out of 4.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: