OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

Quando ouço este disco, sinto uma carga emocional preenchida com imagens e sons envolventes, muito difíceis de encontrar noutros registos.

Esta rapaziada iniciou a sua carreira nos inícios da década de 1980, ficando conhecidos por diversos sucessos comerciais, tais como Talk Talk e It’s My Life, a tal ponto que a EMI lhes proporcionou a realização de um trabalho sem prazo e de orçamento considerável. Assim surgiu o quarto álbum destes britânicos, liderados pelo carismático Mark Hollis. Nestas condições, o trabalho foi sendo elaborado com recurso a um conjunto diversificado de músicos e instrumentos, incluindo o Choir Of Chelmsford Cathedral.

Comercialmente “Spirit Of Eden” foi um fracasso de vendas, no entanto o disco recebeu os mais rasgados elogios da crítica especializada que o considerou uma das mais importantes obras do neo-rock progressivo, bastante ousada e corajosa, indo contra as correntes musicais instaladas.

O estilo é único, deslumbrante, minimalista e melódico, fundindo o jazz e o clássico num resultado sonoro assustadoramente perfeito.

Por vezes ouvimos um silêncio com murmúrios pelo meio, retocado pela sensibilidade de um órgão que vai embelezando a tristeza da composição. Este é o espírito que se subtrai a um disco que poderia ter sido gravado ontem, tal a sua actualidade.

Um crítico inglês da altura, referenciou alguns aspectos de “Spirit Of Eden” tendo como termo de comparação a obra de Miles Davis “Kind Of Blue”; não vou por aí mas tenho que considerar o registo dos Talk Talk, um dos mais importantes do século XX. É um disco simplesmente deslumbrante para cair no esquecimento ou passar despercebido. Pelo menos vale a audição.

4.º Álbum de Estúdio (1988)

Músicas / Tracks Listing

A1. The Rainbow (9:09)

A2. Eden (6:34)

A3. Desire (6:57)

B1. Inheritance (5:23)

B2. I Believe in You (6:10)

B3. Wealth (6:43)

Músicos / Line-up

– Mark Hollis / voz, piano, órgão, guitarra

– Lee Harris / bateria

– Paul Webb / baixo eléctrico

– Tim Friese-Greene / harmonium, piano, órgão, guitarra

– Martin Ditchman / percurssão

– Robbie McIntosh / dobro, guitarra 12 cordas

– Mark Feltham / harmónica

– Simon Edwards / baixo mexicano

– Danny Thompson / viola-baixo

– Henry Lowther / trompeta

– Nigel Kennedy / violino

– Hugh Davis / shozgs

– Andrew Stowell / bassoon

– Michael Jeans / oboé

– Andrew Marriner / clarinete

– Christopher Hooker / cor anglais

– Chior Of Chelmsford / coros

José Augusto Soares

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: