OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

Obstruído, esmagado entre os trabalhos art-rock e o período ambiental, cheio de inovações e obras de arte que o seguem, “Discreet Music” é um álbum pouco ouvido, subvalorizado e muitas vezes esquecido. No entanto, sem sombra de dúvida, representa um ponto de viragem muito importante: a música ambiental aparece pela primeira vez na sua forma mais madura, emocional e complexa na discografia de Brian Eno, e o faz com uma classe que é indubitavelmente louvável.

Em “Another Green World” ainda é possível ouvir músicas pop com uma estética ambiental. Contudo, “Discreet Music” oferece a primeira música ambiental de Eno, cheio de sons sintéticos em watts abertos ao ouvinte. Meditativamente, os sons esféricos são repetitivos. Ainda assim, tudo flui. As melodias não são mais importantes neste contexto; na verdade, não há linha melódica reconhecível no seu verdadeiro sentido. Aqui tudo depende de texturas sonoras, fortemente influenciadas pela música clássica.

O disco abre com uma faixa de 30 minutos, uma experimentação do som de sintetizador enviado através de reverbs para um gravador, resultando em loops que se sobrepõem. Originalmente concebido como um backing track para Robert Fripp tocar numa série de concertos, a sua natureza repetitiva cria uma atmosfera incrível. Ao contrário do álbum “No Pussyfooting”, onde as frequências num ciclo contínuo criam tensão e ansiedade, “Discreet Music” é relaxante. A verdadeira beleza desta faixa é que serve perfeitamente como música de fundo, mas também se mantém firme se alguém optar por prestar total atenção. Depois, há três variações originalmente compostas por Johann Pachelbel, que são umas jóias do expressionismo musical, funcionando como uma descrição de pensamentos e momentos da realidade que se movem em melodias muito bem escritas. Certamente, estas faixas são interessantes e agradáveis o suficiente, mas não são tão atraentes quanto a faixa Discreet Music.

Em suma, há uma aptidão e uma inocência de descoberta em “Discreet Music” que não são vistos em nenhum outro álbum de Brian Eno, mesmo em lançamentos posteriores que possam ser considerados objetivamente melhores. Frequentemente ofuscado por “Ambient 1: Music for Airports”, este é o verdadeiro berço do trabalho ambiental de Eno e um forte precursor dos seguintes trabalhos ambientais. Ninguém deve deixar para trás um álbum tão atraente e bem construído como este.

João Filipe

Rating: 3 out of 4.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: