OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

Após a sua breve passagem como baterista em bandas como Tangerine Dream e Ash Ra Tempel, Klaus Schulze finalmente percebeu que uma carreira solo seria mais adequada. A sua estreia foi, de certa forma, ainda mais à frente no seu tempo do que os seus posteriores trabalhos eletrónicos, com o alemão a criar drones ambientais e sons cósmicos altamente experimentais feitos completamente sem o uso de sintetizadores.

Os sons em “Irrlicht” tinham muito mais em comum com as filosofias da música concreta, com Schulze manipulando as fitas que fazia de uma orquestra, praticando e manipulando esses sons num órgão elétrico. O próprio Schulze chamou o álbum de “quadrophonische symphonie für orchester und e-maschinen“, o que resume o álbum bastante bem.

O disco está dividido em três movimentos ou Satz. A primeira Ebene, a parte mais longa, obviamente é a melhor aqui, uma peça de 23 minutos, uma experiência poderosa, quase como uma viagem espacial, com órgãos e outros instrumentos eletrónicos a criar um ambiente atmosférico flutuante, com uma textura sonora quente e espaçosa. Schulze fez algo mais na primeira faixa do que uma atmosfera do cosmos – ele teceu uma busca cosmológica de um homem, o que confere à música uma dimensão metafísica completa.

Começa de maneira desumanizada, embora não totalmente, porque desde o início existe o medo de que o cosmos desperte. Logo, os sons do mundo das pessoas chegam, fragmentos de música orquestral, mas são tão processados ​​e cortados que parecem fluir a uma enorme distância. Aqui não temos dúvidas de que estamos no espaço e, simultaneamente, na Terra, no máximo de distância anos-luz.

Klaus Schulze

Gewitter é na verdade um pequeno interlúdio para encontrar sons menos metafísicos, mais puramente sólidos e psicadélicos, com mais ênfase nos sons da música concreta. Finalmente, Exil Sils Maria já é o cosmos fortemente desumanizado, frio, desapaixonado, sinistro e imóvel. Tem a duração de mais de 21 minutos profundamente imaginativos, conjurando imagens na mente dos ouvintes do espaço profundo, amanheceres desertos, máquinas a sussurrar à noite e o vazio do infinito.

Em suma, “Irrlicht” (em português “fogo-fátuo”) é uma obra-prima eletrónica ambiental. Isso significaria que a estreia de Schulze é uma das maiores conquistas da música popular em geral. É difícil não mencionar o espírito do órgão do compositor francês Olivier Messiaen na última parte da primeira faixa, no fragmento mais importante do álbum; a influência das composições de Karlheinz Stockhausen no ambiente sonoro é fortemente audível. Isso, no entanto, não prejudica o sucesso de Schulze, mas sim o contrário.

João Filipe

Rating: 3.5 out of 4.

2 thoughts on ““Irrlicht”, Klaus Schulze: Viagem pelo Cosmos

  1. Excelente apresentação e trata-se de um convite ao conhecimento. Não conhecia, mas já estou ouvindo. Parabéns pela interatividade entre mídia, texto e som. Muito bom!

    1. Obrigado, tentamos fazer o nosso melhor para tornar o conteúdo apelativo a quem lê, ouve e observa. Realmente, Klaus Schulze pode não estar nas bocas do mundo, mas a sua criatividade é indubitável, proporcionando-nos uma experiência verdadeiramente diferente e “espacial”.

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: