OBarrete

Porque A Arte Somos Nós

Não posso deixar de pensar

Como irá a vida continuar.

O que virá será incerto

E quase impossível de imaginar.

Nesta, como em qualquer outra hecatombe,

Existirão cacos para apanhar

Mas estou certo de que, no final,

Esta situação iremos devidamente superar.

Não convém exagerar,

Mas somente

A cabeça levantar.

Pôr a semente a germinar

Para um novo futuro,

Nos encontrar.

Não deixo, no entanto,

De me sentir algo amedrontado

Com um futuro que não controlo,

Mas como em tudo na vida

Há que encontrar algum consolo.

A nossa caverna,

O nosso refúgio de eleição

E esse, todos o temos,

É o nosso coração.

O momento é de compaixão

É de ajudar, quando possível.

Deixando de lado uma qualquer situação

Ou um eventual conflito,

Para amparar da melhor forma

O mais fraco e aflito.

Para já à distância e sendo cuidadosos

De forma a que depois, no futuro,

Possamos voltar a ser todos melosos.

Pedro Maia

Pintura de Frida Kahlo, “Menina com Máscara da Morte (Niña con Máscara de Calavera)” (1938)

Deixar uma resposta

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.

%d bloggers like this: