O BARRETE

Porque A Arte Somos Nós

Em 1818 a jovem Mary Shelley escreveu um drama gótico que foi descrito por um crítico da época como “ficção muito ousada”. Poucos anos depois, o livro deu origem a diversas peças teatrais e em 1910 foi feita a primeira adaptação cinematográfica do livro numa curta-metragem muda. 21 anos mais tarde, após o sucesso crítico e …

Continue a ler

O Teatro Rivoli, no Porto, recebeu a peça de Boris Charmatz “10000 gestes”, que tal como o nome indica, toda a narrativa é contada através de gestos e do movimento, estando esta ausente de um diálogo corrido – ao longo da peça somos bombardeados com gritos e expressões soltas. A peça inicia-se com uma atuação …

Continue a ler

Uma experiência — acima de tudo — reconfortante é a que “12 Homens em Fúria” (1957) nos permite, não só porque se centra numa categoria mais intelectual que sensitiva, consegue dar-nos uma aula de argumentação, apreensão daquilo que deve ser a nossa atitude perante a vida, perante o mundo… e até perante a “nossa verdade”. …

Continue a ler

“As pessoas não param de ver quando existe um conflito. Elas param de ver quando não existe um” – “Bombshell” A frase é da autoria de Roger Ailes, o presidente e chefe da Fox News que foi apanhado no seio de um escândalo de assédio sexual. Alavancado pelo movimento #MeToo e por uma consciência coletiva crescente, …

Continue a ler

Nos últimos anos, o tão apelidado de “Citizen Kane of bad movies” tornou-se uma espécie de fenómeno da cultura pop e, mais do que isso, uma experiência verdadeiramente peculiar. Recentemente, exibido pela primeira vez a nível nacional no Cinema Passos Manuel, no Porto, com a exclusiva presença de Greg Sestero, que interpreta Mark, “The Room” …

Continue a ler

Depois de tudo o que é possível aprender com Andrew Hill e Thelonious Monk, surge Herbie Hancock para uma nova reformulação. De 1964 a 1973, Herbie teve uma das carreiras mais consistentemente criativas que o jazz já viu. Se Herbie tivesse parado de gravar naquela altura, este continuaria a ser considerado um dos lendários génios …

Continue a ler

Doze anos depois do inigualável “Call Me By Your Name”, André Aciman traz-nos a tão esperada continuação do romance de Elio e Oliver: “Find Me” (Encontra-me), um romance que volta a trazer todos os nossos sentimentos à tona e a questionar as nossas próprias escolhas. Seria de pensar que uma continuação não seria tão boa …

Continue a ler

O filme “L’Année derniére à Marienbad” (“O Último Ano em Marienbad” ou “O Ano Passado em Mareinbad“, em português), realizado em 1961 por Alain Resnais, é um dos exemplos mais bem conseguidos do uso de elementos do surrealismo e da narrativa não-linear. Escrito por Alain Robbe-Grillet, o filme retrata um possível reencontro entre duas personagens, …

Continue a ler

A julgar puramente por ousadia e audácia, “Jojo Rabbit” tem quase mérito máximo. A tacada de Taika Waititi é de alto risco seja qual for a direcção: assunto, apelo comercial ou mesmo calibração de tom. Nunca foi um realizador que sacrificasse a sua visão, mesmo quando esteve sobre a supervisão da Marvel ao leme de …

Continue a ler

Passados quatro anos de “Os Oito Odiados” (2015), o novo filme de Quentin Tarantino, “Era Uma Vez em… Hollywood“, chega numa altura em que já tínhamos saudades do realizador. Esta película teve uma ovação de sete minutos em Cannes, o que fazia antever uma obra, no mínimo, sagaz e paradigmática (q.b.). “Era Uma Vez em… …

Continue a ler